Medidas do governo Bolsonaro tornam trabalhadores mais vulneráveis aos acidentes de trabalho

http://www.administradores.org.br/wp/wp-content/uploads/2019/01/Acidente-trabalho-responsabilidade-empregador-salvar-urgencias-medicas-maringa.jpgMedidas do governo Bolsonaro tornam trabalhadores mais vulneráveis aos acidentes de trabalho

O mandato de Jair Bolsonaro, mais uma vez, restringe e ataca os direitos dos trabalhadores. Mediante diversas mudanças, um dos conceitos que mais chama atenção, é a forma de retrocesso aplicadas por novas leis, incluindo mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e Reforma da Previdência.

As novas propostas ressaltam o agravamento de riscos de acidentes de trabalho. Segundo estudos desenvolvidos pelo Observatório Digital de Saúde e Segurança no Trabalho, plataforma do Ministério Público do Trabalho (MPT), nos últimos sete anos foram registrados cerca de 4,5 milhões de acidentes de trabalho no País, sendo 16.900 fatais. A partir da nova carteira de trabalho que poderá ser adotada, mesmo podendo escolher entre as opções azul e a amarela, os trabalhadores ficarão ainda mais expostos ao trabalho informal, já que há grande chances de que as empresas possam escolher a condição de contratação.

Além disso, as novas flexibilizações das relações trabalhistas, como a ampliação da terceirização irrestrita, permitem aos funcionários uma abertura maior para condições precárias de trabalho, pois, as terceirizadas não dão o mesmo treinamento aos seus empregados da empresa tomadora e ainda habilitam os funcionários em ambientes inseguros.

Outra medida que causa desconfiança aos trabalhadores, é o fim do Ministério do Trabalho, que permitirá ainda mais o sucateamento dos direitos trabalhistas, haja visto que o controle ficará subordinado ao Ministério da Fazenda, que poderá permitir que a fiscalização fique por conta das próprias empresas. “As novas práticas do governo Bolsonaro só intensificam o ataque aos trabalhadores. Demoramos tanto tempo para conseguir nossos direitos, não vamos permitir que seja tudo arruinado. Precisamos seguir em frente porque muitas lutas estão por vir”, comenta Edson Machado, Presidente do Sinaerj.

Author Description

Sinaerj

No comments yet.

Join the Conversation